terça-feira, 1 de maio de 2012

Zorro Desarmado

E ela estava ali, colada em mim com toda aquela fartura Ela e o meu desejo de satisfação dos instintos, uma tortura! Mas inibi a vontade de comer suas carnes apetecíveis Com cuidado, atravancando a concupiscência impura Pois pra não lhe pôr em fuga, precisei ser cavalheiro, Um Dom Diêgo, sem apêgo pela lascívia sem posturas Resisti ao apelo do cheiro, da cara de sapeca e bunda Sem usar de minha espada tarada por aventuras

4 comentários:

Flá Perez (BláBlá) disse...

hehehehe...
adorei!

Estrela disse...

Vc foi muito criativo aqui!Aplausos

Catia Schneider disse...

Feliz ou infeliz, aquela que te desarma?

Lynare Maryen disse...

Um Cavalheiro que se conteve diante da presa.....kkk Nobre de sua parte...e quem sabe da próxima ela mesma o sorriso esboça.....